Os campeões do vestibular

Fonte: Guia do Estudante (http://guiadoestudante.abril.uol.com.br)

Guia do Estudante (GE) – Qual o segredo para ser o primeiro no vestibular?

Fernanda Andrade: Não tem segredo, é só levar a sério. É importante ter uma rotina de estudos e ser disciplinado. Manter a tranqüilidade é fundamental. Na reta final, eu via o pessoal do meu cursinho ficar bem nervoso e isso só atrapalha. É importante também vir do ensino médio com uma boa base e usar o cursinho para rever as matérias e tirar dúvidas.

João Souza: Ficar em primeiro lugar para mim foi algo inesperado. Por ter me dedicado bastante nos anos anteriores, durante o terceiro ano eu praticamente só estudei o conteúdo daquele ano e fazia exercícios específicos nas matérias em que tinha mais dificuldade. Na hora da prova pensava: “fiz a minha parte durante todos esses anos, agora é fazer a prova e esperar o resultado”. Eu sempre estudei bastante durante todo o ensino médio, não deixei para ralar só no último ano.

Rafael Leite: É preciso ter concentração não apenas durante a prova, mas também durante toda a fase de preparação no decorrer do ano. Não basta apenas ser organizado nos estudos. É bom ter um lugar tranqüilo para estudar e focar a atenção somente para isso.

Victor Porto: Não faço a menor idéia, não sei se tem um segredo. Desde o 1º ano do ensino médio eu fazia cursinho para o Programa de Avaliação Seriada (PAS) da UnB (processo seletivo em que o aluno faz uma prova ao final de cada ano do ensino médio para ser admitido na universidade). Acho que a carga pesada de estudos durante todo esse período me deu uma boa base para ir bem no vestibular.

 

GE – Que dicas você daria para quem vai fazer o vestibular e quer se dar bem?

Fernanda Andrade: Às vezes, você está bem preparado, mas na hora H dá um branco e não consegue o desempenho esperado, por isso o principal é manter a tranqüilidade. É importante se preparar bem o ano inteiro e dar uma diminuída no ritmo na reta final. Não adianta tentar aprender tudo às vésperas da prova. Nessa época é melhor fazer uma revisão geral e focar nas matérias com maior probabilidade de cair nas provas.

João Souza: Se você não está acostumado a estudar tanto é importante criar uma rotina de estudos e começar aos poucos. É importante estudar para todas as matérias, mas acho fundamental ir bem em Português porque isso vai te ajudar na redação, a responder claramente as questões discursivas e a entender melhor o enunciado das matérias. Ler jornais e revistas também ajuda a se dar bem em matérias como História e Geografia.

Rafael Leite: Eu acho fundamental desenvolver a capacidade de aprender sozinho. Não pode desistir na primeira dúvida, tem de persistir e só em último caso recorrer ao professor. Uma coisa que funcionou para mim foi focar o estudo mais no conceito de cada matéria. Eu não costumava fazer muitos exercícios, fazia isso apenas nos simulados e na resolução de provas de vestibulares passados. Eu acho que se você aprender bem o conceito por trás dos conteúdos, é possível resolver qualquer exercício usando o raciocínio.

Victor Porto: Acho que o mais importante é se preparar desde cedo e fazer um bom ensino médio. Não dá para estudar só no terceiro ano ou correr atrás do tempo perdido apenas quando chegar no cursinho. Isso é uma roubada.

GE – Como você fez para equilibrar estudo e lazer? Deu para se divertir no ano passado ou foi dedicação total ao vestibular?

Fernanda Andrade: Eu parei um pouco de sair, mas não fiquei o ano inteiro apenas por conta dos estudos. No primeiro semestre eu ainda fazia aula de dança duas vezes por semana à noite, mas parei no segundo semestre para me dedicar mais à preparação para o vestibular. Aos sábados eu tinha aula pela manhã e simulados à tarde. Então aproveitava a noite para ir ao cinema ou sair com os meus amigos. Aos domingos, eu costumava estudar à tarde, mas se tivesse alguma festa, eu ia sem problemas.

João Souza: Se você for organizado e ter disciplina dá para conciliar estudos e lazer numa boa. Quando era hora de estudar, eu só estudava. Mas também aos domingos não queria ver livro pela frente, o dia era todo meu. Ia ao cinema, saía com amigos, com a namorada, ia ao clube. Agora, se você ficar enrolando nos estudos só vai perder tempo e ficar mais estressado.

Rafael Leite: Foi um ano de muito pouco lazer mesmo. Mas sempre que possível eu procurava dar uma quebrada no ritmo forte de estudos. Às vezes saía sexta-feira à noite, mas nada de balada, apenas um jantar ou boliche com os amigos. Eu tirava também as tardes de domingo para freqüentar a igreja.

Victor Porto: Durante a semana não sobrava muito tempo para fazer alguma coisa. Aproveitava os finais de semana para descansar e sair com os amigos. Gostava de ficar no computador, jogando games, conversando com amigos no MSN ou navegando pela Internet.

GE – Quantas horas você estudou por dia? Tinha algum plano especial de estudo?

Fernanda Andrade: Eu estudava de manhã no cursinho e três vezes por semana também permanecia por lá à tarde. Mas sempre que chegava em casa voltava a estudar até umas 21h30. Procurava ver de tudo um pouco, mas as matérias em que tinha dificuldade, como Geografia e História, exercitava um pouco mais. Como eu gosto de leitura, não tive problema em ler todos os livros indicados para o vestibular. Os resumos ajudam a fixar as partes principais, mas não é bom se basear apenas neles porque nas questões abertas você pode ter dificuldade.

João Souza: Eu ia para o colégio pela manhã e sempre prestava bastante atenção nas aulas. Logo que chegava em casa eu anotava rapidamente o que aprendi no dia para fixar a matéria. Mais à tarde eu ia para a academia. Acho que fazer exercícios físicos é bom para desestressar e poder render mais nos estudos. Como eu produzo melhor à noite, deixava para estudar nesse período. Costumava ler determinada matéria num dia e fazia os exercícios referentes a essa leitura só dias depois para ver se consegui fixar bem o conteúdo.

Rafael Leite: Por estar no último ano de Farmácia na Universidade de São Paulo (USP), praticamente não pude me preparar para o vestibular no primeiro semestre do ano. Como no segundo semestre eu apenas tive de fazer o estágio obrigatório do curso pela manhã, sobrou mais tempo para eu me dedicar ao vestibular. Durante a semana, estudava das 15h às 23h. Aos sábados, eu estudava mais ainda, das 8h às 23h e, aos domingos, das 8h às 16h. Costumava dividir os estudos em períodos de uma hora para cada matéria para não ficar tão maçante. Mas dedicava um tempo maior para as matérias exigidas na segunda fase e para Matemática, que era o meu ponto mais fraco.

Victor Porto: No primeiro semestre eu estudava de manhã no colégio e à tarde e à noite no cursinho, o que somava 12 horas e meia de aulas por dia. Já no segundo semestre, como fui dispensado do colégio por ter passado numa outra faculdade, que acabei não fazendo, eu ia apenas ao cursinho. Não costumava estudar muito em casa, mas aproveitava ao máximo as aulas. Eu debatia bastante com os professores e prestava muita atenção para não ficar com dúvidas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s