Vestibular sem estresse

Por: Lêda Gonçalves – Diário do Nordeste

Depois horas e horas de estudo, de preparo e dedicação, está chegando a hora do vestibular. Para a maioria, um desafio. Para outros, um verdadeiro “bicho de sete cabeças”. A concorrência é grande, a preparação para quem vai prestar vestibular não é mole. A cada ano, aumenta o número de inscritos. Melhora também é a qualidade dos candidatos. Ou seja, para passar no vestibular é necessário planejamento, estudo e tranqüilidade.

Uns exageram na dose de estudos, outros deixam para a última hora e há aqueles que se rendem à ansiedade e falham na hora da prova. O Diário do Nordeste conversou com psicólogos, educadores, universitários, coordenadores de pré-vestibular e de escolas de Ensino Médio e dá algumas dicas de como melhor se preparar e, mais do que isso, se dar bem na hora dos exames sem estresse.

Em uma coisa, todos concordam: para prestar um bom vestibular e conseguir êxito, algumas questões são importantes a serem levadas em conta no momento da preparação: não adianta agora recuperar o tempo perdido, como por exemplo: “eu passei o tempo inteiro sem estudar e agora faço um intensivão”. O importante é ter um método de estudo, ter metas para cumprir, tirar proveito dos seus pontos fortes e investir neles e tentar melhorar nos pontos mais fracos.

O vestibular realmente é um grande desafio. Ter medo de esquecer a matéria na hora H, ficar ansioso com o teste é normal, mas essa ansiedade em excesso poderá atrapalhar seus estudos e seu desempenho no momento dos testes.

A coordenadora do curso de Psicologia da Universidade de Fortaleza (Unifor), Patrícia Passos, conta que tem um exemplo dentro de casa. Seu filho irá prestar vestibular para Medicina na Universidade Federal do Ceará (UFC) pela segunda vez. “Ele mesmo se cobra muito e isso é comum especialmente para quem não passou na primeira vez. A pressão é redobrada”.

Um ponto, recomendado por ela, é, se possível, o aluno buscar um programa de orientação profissional. “Ele não oferece apenas a orientação para quem tem dúvidas, ensina a relaxar e obter bons resultados”.

Para a especialista, não adianta estudar, estudar e estudar, sem uma pausa de, pelo menos, um dia na semana. “A parada evita o esgotamento físico e mental do aluno. O estresse pode comprometer o rendimento durante a prova e derrubar o candidato bem preparado”.

Outra orientação dada por ela é combater o descontrole emocional na hora das provas. Para Patrícia, saber lidar com isso é fundamental. “Se a pressão começa a influenciar seu rendimento, o melhor é parar, respirar profundamente, buscar o reequilíbrio e voltar aos quesitos do teste”.

A assistente de coordenação pedagógica do Colégio Santo Inácio, Naiara Carvalho, observa que a satisfação para a sociedade em ser aprovado de primeira vez e em cursos com “status” mais aceitos é outro ponto que dificulta a vida dos candidatos. “O aluno deve focar naquilo que ele quer e não o que a família deseja e sonha para os filhos”.

Para Naiara, assim como para a psicóloga Patrícia Passos, as três palavras que resumem um candidato preparado são: estudo, segurança e controle”.

A presidente da Coordenaria de Concursos do Vestibular (CCV)da UFC, Maria de Jesus de Sá Correa, indica ao candidato que a preparação não se limita apenas à sala de aula ou horas de estudos em casa.

É importante saber, por exemplo, com dias de antecedência, o local onde fará as provas, organizar material a levar, como canetas transparentes azuis, documentos e água ou barra de cereal. “Vestir roupas leves e calçados confortáveis também contam na hora do vestibular”.

FICAR LIGADO
Entender o enunciado da questão é problema

Uma das grandes dificuldades dos alunos, segundo os professores de escolas públicas e privadas, é que eles, muitas vezes, nem sequer entendem o enunciado da questão. “Isso é comum, especialmente quando se trata de um tema histórico ou de cálculo matemático”, afirma a educadora Maria Barbosa dos Santos. Ela ensina que, lendo e entendendo o que a questão pede vale quase 80% do quesito. “É preciso ficar ligado, não se desconcentrar pensando que a disciplina é difícil, que você não irá nem tentar responder”.

A educadora ressalta que essa atenção começa ainda na hora da preparação. Segundo

// <![CDATA[//
// <![CDATA[//

ela, na hora dos estudos em casa ou na escola, é seguir o exemplo de uma madre superiora, que não atende ninguém durante sua reza. “Ela se isola do mundo para concentrar-se na oração”.

Por isso, cuide do seu ambiente de estudo. Mantenha-se isolado e avise a todos em casa: “vou estudar”. Isto quer dizer que você não atenderá a telefone e amigos durante esse período.

Uma dica do professor José Aparecido Menezes é não ficar preso aos livros. Segundo ele, a biblioteca da escola já não é mais a única fonte para o estudante que deseja se aprofundar ou tirar dúvidas dos assuntos tratados em sala de aula.

Cada vez mais, orienta, os meios tecnológicos invadem a mesa de estudos, ampliando as possibilidades de interação entre alunos e professores e auxiliando no aprendizado. “Busque a Internet como fonte e interaja com outros alunos”.

O vestibulando deve dialogar com os pais para que eles compreendam e respeitem suas decisões. Uma recomendação é que não haja promessas de ambos os lados (por exemplo, o compromisso de ganhar um carro com a aprovação no concurso é um fator de ansiedade).

De acordo com a psicóloga Selma Câmara, ninguém conta com o fracasso e quem, como os alunos de escolas privadas, tem investimento alto, sequer imagina que algo possa sair dos planos. “O exame por si só já é fator de pressão e qualquer coisa a mais só serve para piorar”.

ESFORÇO
Maratona para UFC, Unicamp e USP

A rotina da estudante Paula Chinelaco, de 17 anos, não é moleza. Seu desafio não é apenas concorrer para a Faculdade de Direito da Universidade Federal do Ceará (UFC). A garota quer ir além e prestará vestibular para as faculdades do mesmo curso nas universidades Estadual de Campinas (Unicamp) e de São Paulo (USP).

As provas da primeira fase da UFC e Unicamp serão no mesmo dia, em horários diferentes: pela manhã, a federal do Ceará e à tarde, a instituição paulista. Antes disso, nos dias 3 e 4 de outubro, fará as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). “Não tenho medo de cansaço, minha cabeça está focada nesses exames”.

Na preparação, uma verdadeira maratona de estudos: acorda às 5 horas, entra em sala de aula do 3º ano do Colégio Santa Cecília às 7 horas, onde passa seis horas. Nas tardes de quarta e quinta-feiras, volta ao colégio para aulas de aprofundamento nas disciplinas que enfrenta maiores dificuldades: História e Português. Nos dias que não está tendo aulas de reforço, estuda a tarde toda, entrando pela noite. São quase 12 horas de estudos diários.

Paula não é a única a tentar cursos de universidades de outros Estados. Pedro Henrique Xavier de Azevedo, de 16 anos, farás as provas para Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e USP, que usará as notas do Enem para compor sua primeira fase de aprovados. “Aposto nisso para ir estudar em São Paulo, onde, acredito, estão as melhores chances de mercado para a minha área”, diz.

Seu tempo de estudo é de 14 horas por dia. Mesmo assim, não dispensa sair com os amigos e parentes nos domingos. “Até Deus fez o mundo em seis dias e descansou no sétimo. Sem essa parada, não agüento a puxada da semana”. Na torcida e apoio, seus pais, Hélio e Maria de Lourdes, afirmam que não influenciaram na escolha do filho pela profissão. “Deixamos Pedro à vontade para escolher o seu caminho. Não adianta demonstrar nossa ansiedade”.

MEDICINA/UFC E DIREITO/UNIFOR
Experiências de quem foi aprovado

“Um sonho realizado”, afirma a aluna do primeiro semestre da Faculdade de Medicina da UFC, Clara Mota Candal Pompeu, de 17 anos. Mesmo por telefone, ao conceder a entrevista, ela não esconde a alegria de ter superado o desafio do vestibular para uma das faculdades mais concorridas do Estado.

Para enfrentar e vencer a concorrência de outros candidatos, ela conta que focou seu objetivo desde o 1º ano do Ensino Médio.

Sua rotina, no 3º ano, foi: escola das 7 às 13 horas, duas vezes por semana, curso de reforço direcionado para Biologia e Química – provas específicas para candidatos ao curso de Medicina – e nos outros dias, estudar em casa a partir das 14h30. “É importante conciliar tudo, senão fica difícil”, diz.

O dia-a-dia de João Antonilson de Sousa Filho, 22 anos, foi diferente. Como ele trabalha no período da manhã, os estudos ficaram para os períodos da tarde e noite. João concorreu para Direito na Universidade de Fortaleza (Unifor) e hoje, no primeiro semestre, lembra das dificuldades na preparação para o vestibular. “Foram dias difíceis, de muita dedicação, firmeza e determinação. Tinha hora que dormia em cima dos livros”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s