Empreendedorismo de Rio do Sul no Jornal da Globo

Edição do dia 16/11/2010

16/11/2010 13h26 – Atualizado em 16/11/2010 14h01

Empreendedorismo é disciplina obrigatória em escola de SC

Como se tornar dono do próprio negócio é lição que se aprende há cinco anos nas salas de aula da Escola Modelo de Rio do Sul, cidade com 60 mil habitantes. Outra escola igual está a caminho.

Ricardo Von Dorff Rio do Sul, SC

A primeira lição é a de que o empreendedorismo começa em casa, com a elaboração do orçamento familiar. Famílias são como empresas, têm receitas e despesas. E é preciso sobrar dinheiro no fim do mês para haver segurança no futuro.

“Você não é rico com o que ganha, mas sim com o que poupa”, alerta o professor.

Este só o primeiro passo. Marketing, análise de mercado, plano de negócios, planejamento estratégico. Todo esse conhecimento ajuda os alunos na criação de empresas virtuais. Elas ganham cartazes e maquetes. São apresentadas em público e avaliadas por um júri da comunidade que inclui empresários.

“Naquela época, naquele tempo não existia esse treinamento, essa preocupação em ensinar às pessoas a empreender. Tenho certeza que essas crianças que estão recebendo esse embasamento é que farão a grande transformação que o Brasil precisa”, declara Ourival Seola, empresário.

Para os educadores, o ensino do empreendedorismo não visa, necessariamente, a formação de empresários. “A idéia é criar pessoas criativas, proativas e inovadoras no mercado de trabalho”, diz Adriana Bonaldo, professora de empreendedorismo.

Em Rio do Sul, a educação empreendedora está ligada à experiência do primeiro emprego. Mais de 500 jovens já foram beneficiados. Brian faz estágio em uma loja de instrumentos musicais. Jordan, em um laboratório fotográfico.

“Para mim, é muito interressante porque eu tô tendo a primeira vivência o primeiro emprego, então tô um passo a frente dos outros”, declara Jordan Oliveira de Paula, 14 anos.

“Eu tô achando muito legal, porque a gente já começa a ver como é que é o mercado de trabalho”, comenta Brian Klug, 14 ano.

Luana, aos 15 anos, já faz parte dele. Agora é recreadora de crianças e com o salário quer empreender um sonho: ajudar a avó a construir uma casa. “É muito bom porque, além de estar ajudando meus avós eu tô me fazendo bem, porque esse é um sonho deles e então acaba sendo um sonho pra mim também”, diz Luana Fagundes, 15 anos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s