5 passos para quem chegou aos 35 e está sem rumo

Confira um roteiro do que você deve começar a fazer desde já para retormar a trajetória profissional certa, de acordo com dois especialistas consultados

São Paulo – No início de carreira é comum pensar que, aos 35 anos, estaremos no auge ou bem perto dele. Mas escolhas erradas e solavancos podem atrasar a trajetória rumo ao topo ou mesmo fazer você se desviar no caminho.

O resultado é que você pode chegar nesta idade e sentir-se sem rumo ou ainda ser invadido pela estranha sensação de não se encaixar na posição que ocupa atualmente. E então, encarar o expediente passa a ser mais penoso com o passar do tempo e, só de ouvir o despertador ao raiar de mais uma segunda-feira você sente um terrível frio na barriga.

Para quem está nesta situação e procura uma luz no fim do túnel, alguns pontos de reflexão e certas atitudes são indicadas por especialistas. Confira um roteiro do que você deve começar a fazer desde já:

1 Analise o que deve mudar: profissão, carreira ou o foco dela

O momento é de reflexão, diz Caio Tucunduva, diretor da Fesa. “É preciso que o profissional faça uma análise em relação ao que ele quer mudar”, diz o especialista.Se você deseja continuar na mesma profissão pode apostar em uma nova carreira e ampliar seu escopo de atuação.

Outra possibilidade é ajustar o foco da sua carreira. “Atuar dentro do mesmo core business, mas migrar da área técnica para de gestão”, explica o diretor da Fesa. Geralmente ao se formar, o profissional inicia carreira com uma atuação mais técnica, estando ainda “cru” em termos de gestão. “Com o tempo a tendência é esse quadro ir se invertendo”, diz Tucunduva.

Você pode descobrir que o fato não ter ultrapassado o patamar técnico é a raiz do problema. A mudança mais radical dentre as apresentadas é a de profissão, e pressupõe que você dê um passo atrás para avançar mais pra frente.

2  Pontos fortes e aspectos que precisam ser desenvolvidos

Seja qual for a conclusão, você deverá ter em mente seus pontos fortes e fracos, antes de iniciar a movimentação. “É identificar as competências que terão que ser desenvolvidas para essa nova carreira, por exemplo”, diz Tucunduva.

Por exemplo, se o objetivo é chegar a uma posição de gestão, será preciso investir em habilidades de liderança, foco em resultado e trabalho em equipe. Se a transição é de carreira ou de profissão, verifique a demanda da nova posição e reflita a respeito do que você já sabe e o que precisa estudar.

3 Pense nos seus reais objetivos e prioridades

Qual é a lógica que sustenta a sua carreira? “A gente costuma fazer essa provocação para a pessoa pensar em interesses e propósitos e estimular que ela tenha consciência do seu repertório e imaginar em quais outras circunstâncias ela poderia aplicar essas competências”, diz Fernando Mazzuli, gerente de inovação e qualidade do LAB SSJ.

Revisitar sua bagagem profissional, ou seja, lembrar-se das principais entregas de resultado, vai ajudá-lo a definir o caminho. Não se esqueça de que saber aonde você quer chegar é o ponto de partida de um plano de carreira.

“Muitas vezes a pessoa é levada por escolhas que os outros fizeram por elas, foi recebendo recebeu propostas de emprego e se distanciou daquilo que ela valoriza”, diz Mazzuli. Para quem está com 35 anos e está em dúvida em relação ao rumo da carreira, ter consciência das escolhas é fundamental, segundo o gerente de inovação e qualidade do LAB SSJ.

4 Defina metas e prazos e analise o mercado

“Quando os objetivos e prioridades são identificados, o profissional vai saber o que ele precisa fazer para migrar e não perder o foco”, diz Tucunduva.

A partir daí é hora de definir metas e prazos. “É preciso ser realista”, lembra o diretor da Fesa. Dependendo da mudança o prazo pode ser maior ou menor.

Se a direção é oposta, ou seja, você vai mudar de profissão, provavelmente, precisará de mais tempo, do que se se o objetivo é sair do patamar técnico para o de gestão, mudar de empresa ou de escopo de atuação.

Não é mercado que vai ditar a mudança, mas se fazer uma análise da demanda existente é recomendável, de acordo com Mazzuli. “Para trazer mais luz a pessoa deve pensar na escolha com uma visão de longo prazo e verificar as áreas mais promissoras para dar mais tranquilidade”, diz o especialista.

5 Estude o impacto da mudança

Toda e qualquer transição causa um impacto. Por isso é melhor se antecipar a ele e para não ser pego de surpresa. De acordo com o diretor da Fesa, três pilares merecem atenção: social, financeiro e familiar.

Afinal, uma transição de profissão e carreira pode, no início, resultar em perda temporária de prestígio e também de remuneração. É claro que isso não ocorre se a meta é migrar da área técnica para de gestão dentro no mesmo ramo de atuação.

Seguir esse roteiro funciona seja qual for a transição pretendida garante o diretor da Fesa. Foi esse também o caminho percorrido por ele próprio a promover uma transição de carreira em sua vida profissional. “Recomendo esses pontos porque fiz essa mudança”, diz ele.

Engenheiro civil por formação, Tucunduva se estabeleceu como consultor de sustentabilidade e acabou migrando para a área de recrutamento e seleção voltada para o setor de infraestrutura e indústria. De acordo com ele, observar pontos de aderência entre a atuação que ele tinha antes e o que ele desejava foi bastante importante.

“Migrei há 3 anos, mas iniciei esse planejamento há 5 anos. Ainda não tinha expertise mas tinha domínio do mercado porque grande parte dos clientes que eu atendia como consultor de sustentabilidade eram desse setor”, conta.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s