Novo Fies 2011 – Confira as novidades!

Dilma diz que novo Fies terá crédito mais barato e maior tempo de carência

Agência Brasil
BRASÍLIA – A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira que o novo Programa de Financiamento Estudantil (Fies) terá condições gerais de financiamento “muito mais leves” – incluindo juros de 3,4% e maior tempo de carência.

Em seu programa semanal “Café com a Presidenta”, ela anunciou que o aluno só terá que começar a pagar o financiamento do curso superior um ano e meio depois de formado. Nesse período, segundo Dilma, será possível encontrar um emprego e obter uma renda. Dependendo do curso escolhido na faculdade, como no caso de medicina, o pagamento poderá ser feito em até 20 anos.

Agora, o próprio governo é fiador

A presidenta explicou ainda que, caso o aluno que adquiriu financiamento pelo Fies decida fazer um curso de licenciatura e dê aulas em escolas públicas, a dívida no novo Fies será “perdoada”, por meio de uma redução de 1% a cada mês de exercício profissional.

Outra novidade já anunciada pelo governo é que o programa vai incluir alunos com renda de até um salário mínimo e meio de renda. Antes, eles precisavam arrumar um fiador para ter acesso ao crédito estudantil.

– Agora, o próprio governo é fiador – disse a presidente.

Programa de escolas técnicas será lançado em marçoAinda durante o programa, Dilma anunciou que o Programa Nacional de Acesso à Escola Técnica (Pronatec) será lançado em março. Ela afirmou que a ideia é ampliar o caminho de acesso à educação profissional para jovens do ensino médio e para trabalhadores sem formação.

O Pronatec, segundo ela, será composto por um conjunto de ações voltadas para quem deseja fazer um curso técnico, mas não tem como pagar. Será um programa de bolsas e também de financiamento estudantil. O novo Fies, de acordo com a presidente, vai fazer parte do programa.

Estamos criando novas condições para que o jovem conclua o ensino médio mais bem preparado

– Assim, também o estudante do ensino médio vai poder ter seu financiamento para estudar em escolas técnicas privadas. Estamos criando novas condições para que o jovem conclua o ensino médio mais bem preparado, com diploma de curso técnico debaixo do braço – explicou.

Dilma destacou a importância da participação da juventude no mercado de trabalho e afirmou que o governo pretende também ampliar o acesso ao ensino médio em tempo integral – em um turno, o aluno estuda a grade tradicional e, em outro, aprende uma profissão.

Para o trabalhador, o Pronatec prevê cursos de formação profissional com carga horária a partir de 160 horas.

PROUNI 2011?

Inscrições para 123 mil bolsas têm início nesta sexta-feira, dia 21

Segunda-feira, 17 de janeiro de 2011 – 17:05
As inscrições para as bolsas do primeiro semestre de 2011 do Programa Universidade para Todos (ProUni) têm início nesta sexta-feira, 21, e seguem até a terça-feira, 25. São oferecidas 123.170 bolsas de estudo, sendo 80.520 bolsas integrais e 42.650 bolsas parciais – de 50% – em, aproximadamente, 1.500 instituições de ensino superior de todo o país.

Para concorrer às bolsas, os candidatos devem ter realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2010, ter atingido no mínimo 400 pontos na média das cinco notas do exame (ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias, e a redação) e ter nota superior a zero na redação.

Duas etapas

Nesse processo, serão realizadas duas etapas de inscrição. As etapas são independentes, ou seja, o candidato que não for pré-selecionado na primeira terá nova chance de se candidatar, inscrevendo-se novamente. O candidato pré-selecionado na primeira etapa não poderá se inscrever na segunda etapa do processo seletivo, exceto nos casos em que tiver sido pré-selecionado em curso em que não houve formação de turma. Em cada etapa, o estudante poderá escolher até três opções de curso e instituição.

As inscrições serão feitas exclusivamente pela internet, no sítio do programa. Para inscrever-se, os candidatos deverão informar seu número de inscrição e senha no Enem 2010, além de CPF.

A cada etapa de inscrição, serão realizadas duas chamadas subsequentes. O resultado, com a relação dos candidatos pré-selecionados na primeira chamada, será divulgado em 28 de janeiro. Esses estudantes deverão comprovar suas informações junto às instituições de ensino até o dia 4 de fevereiro. Caso ainda existam vagas disponíveis, será realizada uma nova chamada, no dia 11 de fevereiro, com prazo para comprovação dos documentos até 17 de fevereiro.

Entre os dias 21 e 24 de fevereiro acontece a segunda etapa de inscrições, com resultado a ser divulgado em 27 de fevereiro. Nessa etapa, a comprovação dos documentos necessários deverá ser feita até 4 de março. No caso de ainda existirem vagas disponíveis, uma segunda chamada será feita no dia 13 de março. O cronograma completo do processo seletivo está disponível no sítio do ProUni.

Podem se candidatar às bolsas integrais estudantes com renda familiar, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. As bolsas parciais são destinadas a candidatos com renda familiar de até três salários mínimos por pessoa. Além de ter feito o Enem 2010 e ter alcançado a pontuação mínima, o candidato deve ter cursado todo o ensino médio em escola pública ou em escola particular na condição de bolsista integral.

Professores da rede pública de ensino básico, que concorrem à bolsa em curso de licenciatura, normal superior ou pedagogia, não precisam cumprir o critério de renda, desde que estejam em efetivo exercício e integrem o quadro permanente da escola.

O total de bolsas se refere àquelas que as instituições de educação superior participantes do programa são obrigadas a oferecer, de acordo com a Lei nº 11.096/05, que instituiu o ProUni. Além das obrigatórias, há ainda as adicionais, que são ofertadas a critério das instituições.

Assessoria de Imprensa da Sesu

Cronograma do ProUni

Consulte a oferta de bolsas por unidade da Federação

Consulte a oferta de bolsas por município

Palavras-chave: Educação superior, ProUni, Enem

Veja histórias de quem deixou o interior para estudar na capital

Por: A Tarde

A vida sempre se passou em espaços pequenos, preenchidos por rostos conhecidos. A vida no interior não comportava saudades nem medo de assalto e nem tantos gastos [com ônibus, alimentação, xerox] como na nova vida na capital.

A Bahia tem 417 municípios, mas só há universidades públicas em 33 deles. A Universidade do Estado da Bahia [Uneb] é a que atende mais cidades, 24 ao todo. Assim, a vinda para a capital acaba sendo a única opção para quem quer continuar os estudos.

Em Salvador, cerca de 20% dos alunos da Uneb vêm do interior do Estado. Ana Nascimento, 22, hoje faz enfermagem e já circula na capital como se tivesse nascido aqui, mas há três anos, quando veio de Brumado [a 555 km de Salvador] para fazer cursinho, morando na casa de parentes, se sentia acuada . “Não é a mesma coisa que estar em sua casa. As pessoas são da sua família, mas fazem questão de deixar claro o favor que estão te fazendo”.

Sem grana, Ana ainda teve que ficar na casa da tia até que entrasse na faculdade. Hoje ela aluga um quarto numa pensão com o salário de cerca de R$ 600 de operadora de telemarketing.

Para Francisco Bastos Filho, 25, que veio de Macaúbas [a 682 km de Salvador], as coisas correram de um jeito mais tranquilo. Embora tenha estranhado a cidade no início, e mudado de curso duas vezes [até que optou por fim por medicina], não demorou para se adaptar ao novo estilo de vida. Logo compreendeu que pegar o ônibus errado é uma maneira de aprender como se chega em outro lugar. Os pais já tinham um apartamento aqui, que só aguardava a vinda dele e do irmão.

//
//

Lavar roupa, arrumar a casa e cozinhar, embora seja o miojo que geralmente salva o dia, sempre foi um hábito desde que morava com os pais. “Minha mãe sempre chamava a gente para a cozinha para ensinar alguma coisa. Eles sempre nos criaram para ser independentes”. Ainda assim, sempre que ele está em Macaúbas, ela evita ir à rodoviária se despedir, pois o chororô é certo.

A distância da família, de acordo com Lene Santos, psicóloga da Pro-Reitoria de Assistência Estudantil da Universidade Federal da Bahia [Ufba], em alguns casos, pode tirar a concentração do estudante e interferir em seus estudos. “O oposto também é possível, a nova sensação de independência da família e a possibilidade de crescimento, acaba sendo um estímulo”.

Foi o que aconteceu com Renata Flores, 25. Ela veio de Capim Grosso [a 240 km de Salvador] há quatro anos e já está quase deixando a faculdade de pedagogia. Ainda lembra de quando chegou em Salvador. A mãe fez falta, mas preferiu focar nos estudos que na melancolia. “Sempre que ela mandava dinheiro eu pensava que também tinha que me esforçar”.

IES ampliam assistência estudantil

A Uneb vai implantar, a partir de setembro, seu novo programa de assistência estudantil, que inclui a melhoria das residências universitárias, a construção de um restaurante, a distribuição de cestas básicas para alunos de baixa renda e bolsas para aqueles que desenvolvam atividades culturais e esportivas.

De acordo com a Pro-Reitora de Extensão, Adriana Marmori, serão empregados R$ 1,5 milhões no programa. Hoje a Uneb disponibiliza apenas 20 vagas em sua residência no Cabula, embora ofereça cerca de 1.000 bolsas de monitoria e 200 vagas em programas de estágio dentro da própria universidade. As bolsas são divididas entre os 24 campi da instituição.

Já na Universidade Federal da Bahia [Ufba], quem não tem como se manter longe de sua cidade natal pode concorrer a auxílios que a instituição presta a estudantes em vulnerabilidade social.

Além das 290 vagas nas três residências que mantém [mais 200 serão abertas numa outra que está em construção na Avenida Garibald], a Ufba oferece 238 bolsas moradia [auxílio financeiro de R$ 250 além de almoço e jantar no restaurante universitário].

De acordo com a coordenadora de Assistência Estudantil, Maria das Graças Pereira, para obter um dos benefícios é preciso comprovar a necessidade. Para mantê-los os alunos precisam ter bom rendimento escolar. A Ufba ainda disponibiliza acompanhamento psicológico para esses e outros estudantes.

DICAS

Lavar roupa todo dia

Se você não sabe a diferença entre detergente e desinfetante, aprenda. Daqui para frente é você quem vai lavar suas roupas. Máquina de lavar é uma mão na roda, o duro é lavar no tanque. Apelar para a lavanderia pode sair bem caro. Cerca de 10 peças não saem por menos de R$ 25.

Saudade

Se ver de repente sem o apoio constante da família pode ser inicialmente traumático e os estudos podem acabar prejudicados. O segredo é enxergar a mudança como possiblidade de crescimento intelectual e pessoal.

Gororoba

Antes de ir embora definitivamente peça umas dicas para quem cozinha na sua casa. Sempre que puder dê um tempo na cozinha e preste atenção. Comece a anotar e faça um mini caderno de receitas triviais. Não vai ter o gosto da comida da mãe, mas ao menos você não vai morrer de fome ou apelar diariamente para o miojo.

Xerox

Não dá para comprar todos os livros exigidos pelas disciplinas. Além de apelar para a biblioteca, que geralmente não tem exemplares suficientes, o jeito é gastar com cópias. Para economizar, procure colegas que já fizeram a disciplina e peça os textos emprestados.

Mensalidade exige planejamento sério

Por: Gazeta do Povo Online – Marcela Campos

Escolher uma profissão é tarefa difícil, mas os desafios não param por aí. Quando a aprovação em uma faculdade ou universidade pública não vem, ou o curso escolhido só é ofertado por uma particular, a família precisa se programar para bancar anos de mensalidades que muitas vezes ultrapassam R$ 1 mil.

Os cursos com as prestações mais caras são, em geral, os da área de Ciências Biológicas e da Saúde, como Medicina, Odontologia e Farmácia. Mas as graduações do setor de Ciências Exatas e de Tecnologia também apresentam mensalidades salgadas.

Segundo o Censo da Educação Superior de 2007, cerca de 75% dos quase 5 milhões de universitários brasileiros estão matriculados em instituições pagas. “O meu objetivo era passar na UFPR. Tentei duas vezes e não passei. Eu já estava com 20 anos, por isso meus pais decidiram fazer um sacrifício e pagar uma particular para mim”, afirma uma aluna do 6º ano de Medicina da Faculdade Evangélica do Paraná, que preferiu não se identificar. A estudante paga quase R$ 2 mil por mês, o menor valor cobrado por um curso de Medicina em Curitiba. “Escolhi a Evangélica não só pela mensalidade, mas pelo conceito que ela tem”, ressalta.

Há aproximadamente uma década, a mãe e o padrasto de Cindy Nicole Bonfim Cristo decidiram criar um fundo para financiar a faculdade da filha. Agora, aos 18 anos, a estudante não precisa mais se preocupar com os gastos que terá na graduação. “Quero fazer duas faculdades ao mesmo tempo. Vou prestar vestibular para Ciências Sociais na UFPR e para Direito nas particulares”, conta.

//
//

O modelo de poupança familiar, muito comum nos Estados Unidos, mas ainda incipiente no Brasil, também foi colocado em prática por Ana Kira de Souza Silva, 45 anos. “Estou fazendo uma poupança para o meu filho, que tem 12 anos. Começamos a juntar R$ 100 por mês desde que ele nasceu. Se ele passar na Federal, poderá comprar um carro. Se entrar em uma particular, o dinheiro servirá para pagar a universidade”, afirma.

Tá na lei

Valor deve ser divulgado

Segundo a lei federal nº 9.870, de 1999, o valor das anuidades ou semestralidades escolares deve ser divulgado em local de fácil acesso ao público, pelo menos 45 dias antes da data final para a matrícula. As faculdades e universidades particulares costumam colocar essas informações em seus sites. No site da Universidade Positivo (www.up.edu.br), é preciso clicar em “escolha o assunto” e selecionar a opção “mensalidades”. Na página da PUCPR (www.pucpr.br), clique em “cursos e programas”, “graduação” e, em seguida, escolha um dos cursos da lista. Os preços de todos eles podem ser vistos no link “mensalidade”. (MC)