Márcio Oliveira, da Indústria e Comércio Oliveira, apresenta no Colégio Energia

Tivemos a presença nesta sexta-feira do Diretor da Indústria de Alimentos Oliveira, Márcio Oliveira, que trouxe aos alunos do Colégio Energia exemplo de uma empresa familiar de sucesso do Alto Vale. Falando de inovação, superação e gestão ele mostrou aos alunos a importância da boa formação e de ter um pensamento estratégico para os negócios da família.

Através da história da Indústria Oliveira ficou evidente a importância dos filhos se inserirem desde jovens no processo produtivo e desde aquele momento, irem se tornando protagonistas da evolução da empresa.

Marcio também destacou a importância da marca e da imagem impressa aos produtos. “Nem todos conhecem a empresa Oliveira, por que é também um sobrenome de família, mas quando chego nos meus clientes e mostro o nosso produto, principalmente a bala de banana Oliveira, todos conhecem. O produto chega antes da oferta e as pessoas reconhecem nossa tradição e qualidade”.

O empresário encerrou a palestra oferecendo aos alunos seus produtos para uma degustação. Nosso colega de profissão, professor Hare, adorou essa parte.

http://www.oliveira.com.br/

Ao completar 45 anos, a Oliveira mostra na prática a receita de seu sucesso e crescimento no mercado nacional.

Imagem do complexo industrial

Pioneira na região do Alto Vale do Itajaí, Santa Catarina, a Indústria e Comércio Oliveira especializada na produção de doces, conta com uma linha de oito produtos.

Ao completar 45 anos, a Oliveira mostra na prática a receita de seu sucesso e crescimento no mercado nacional.http://www.oliveira.com.br/img.php?h=540&img=fotos/empresa/complexo.jpg

Pioneira na região do Alto Vale do Itajaí, Santa Catarina, a Indústria e Comércio Oliveira especializada na produção de doces, conta com uma linha de oito produtos.

Sua maior referência, a Bala de Banana Oliveira está no mercado nacional há 40, dando à empresa a garantia de que seus produtos mais do que qualidade apresentam diferenciais que os mantêm atuantes e expansivos no mercado.

Todos os produtos são preparados com um sistema de qualidade para atender todas as exigências das legislações nacionais e internacionais e também do mercado.

Com toda essa estrutura a empresa distribui seus produtos em todo território nacional.

Dedicação, investimentos, competência e responsabilidade social. Essas são as palavras que trilham o caminho desta empresa de sucesso para o futuro.

Conheça
nossa história

O que não falar na entrevista de emprego

Supervalorização, linguagem inadequada e falta de foco são alguns dos principais deslizes que podem eliminar o candidato.

Por Rômulo Martins

O que não falar na entrevista de empregoVale tudo para convencer o recrutador a contratar você? Definitivamente não, afirmam especialistas. Segundo eles, foi-se o tempo em que a retórica sedutora e comovente e os cursos em universidades de renome eram garantias de um bom emprego. Hoje a orientação é ser contido, verdadeiro, centrado. Ou seja: nada de marketing enganoso; os entrevistadores querem ser impressionados pelo o que você é e sabe fazer.

Especialistas consultados pelo Empregos.com.br apontaram os principais equívocos presenciados por eles durante os processos seletivos a que conduziram. A dica é prestar bastante atenção para não se deixar levar pelos falsos artífices, pois eles costumam eliminar candidatos.

1. Estou passando por um momento muito difícil…
Não há nada de errado em falar brevemente sobre a sua vida pessoal – caso o recrutador questione. O problema é quando a sua vida passa a ser o tema da entrevista. “Dá a impressão de que o candidato não resolveu o problema e precisa do espaço para falar sobre a vida dele em vez de tratar de suas experiências profissionais”, diz Cíntia Bortotto, consultora de recursos humanos.

2. Meu pior defeito é ser desorganizado
Digamos que você esteja concorrendo a uma vaga em um centro de informação, onde a principal característica requisitada é a organização. Quando questionado sobre o seu defeito você diz que é desorganizado. Segundo Cíntia, é o mesmo que pedir para ser eliminado. “Ao mencionar um defeito, mostre que tem um plano de ação para corrigi-lo.”

3. Essa empresa é muito ruim. As lideranças também.
Jamais critique as empresas por quais passou, nem os antigos chefes. Ao falar mal das empresas ou chefes, o profissional deixa claro que não conseguiu lidar com a situação, afirma Cíntia. “Essas influências devem ser encaradas como oportunidades de desenvolvimento e aprimoramento em termos de como se relacionar em um ambiente hostil.”

4. A gente fomos…
Se você não possui um repertório privilegiado fale de maneira simples, mas correta. Dependendo do cargo a ser disputado, erros de português são imperdoáveis. Segundo a psicóloga Stefania Lins Giannoni, especialista em desenvolvimento de pessoas, o uso excessivo de gírias e palavras no diminutivo também podem prejudicar. “Seja assertivo. Procure fazer suas colocações de forma clara, sincera e transparente.”

5. Tentar falar sobre um assunto que desconhece
Não caia na armadilha de tentar responder a uma pergunta mal compreendida. Caso seja necessário, diga que não compreendeu o recrutador ou repita a questão do seu jeito para esclarecer o possível mal entendido.

Do mesmo modo, jamais fale sobre algo que você desconhece a fim de tentar acertar a resposta e ficar bem na fita com o entrevistador. “É melhor dizer que não tem certeza, não teve experiência ou não ouviu falar durante a formação. Se você tem conhecimento teórico sobre o assunto, diga o que sabe a respeito, mas esclareça que não teve vivência prática”, orienta Cíntia Bortotto.

6. Supervalorizar-se
Contar vantagens sobre si não é uma maneira inteligente de chamar a atenção do recrutador. “Fale o necessário”, adverte a psicóloga Stefania Giannoni. Ela avisa que achar que está em vantagem em relação aos concorrentes por falar mais que eles a respeito de suas habilidades é um equívoco. Segundo Carla Correia, psicóloga e consultora de recursos humanos, os melhores trunfos devem ser guardados para após a contratação. “Ser humilde não é ser inferior.”

7. Mentir na entrevista
Na tentativa de abocanhar a vaga de emprego acirradamente disputada e ambicionada alguns candidatos chegam ao ponto de inventar competências técnicas ou comportamentais que não possuem. Atitude unanimemente desaprovada pelos consultores de carreira e recursos humanos. Além de minar a oportunidade profissional, o candidato vira figurinha carimbada nos processos de seleção.

8. Errar no tom de voz
Não é só o conteúdo que conta na avaliação do recrutador. Errar no tom de voz também prejudica seu desempenho na entrevista de emprego. De acordo com a psicóloga Stefania Giannoni, um tom de voz alto pode evidenciar falta de educação, arrogância ou imposição. “Por outro lado, um tom muito baixo pode demonstrar retraimento ou dificuldade de se expor diante das situações.”

Matérias relacionadas:
Como destacar competências na entrevista de emprego?
Entrevista por telefone enfoca perfil técnico
8 deslizes na entrevista de emprego

Fonte: http://carreiras.empregos.com.br/carreira/administracao/noticias/nao-falar-na-entrevista-emprego.shtm

Estudante de 16 anos é aprovada em nove vestibulares para medicina

09/02/2011 16h04 – Atualizado em 09/02/2011 17h39

‘Sempre fui exigente demais comigo’, diz Marcela.
Garota vai estudar na Universidade de São Paulo (USP).

Vanessa Fajardo Do G1, em São Paulo

Marcela Malheiro, de 16 anos, passou na USP, Unicamp, Unesp, UFRJ, Unifesp… (Foto: Raul Zito/G1)

Marcela Malheiro Santos, de 16 anos, tem o privilégio de escolher entre o curso de medicina de nove universidades brasileiras. A estudante foi aprovada nas principais instituições de ensino do país, entre elas: Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Instituições em que Marcela foi aprovada
Universidade de São Paulo (USP)
Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
Universidade Estadual de São Paulo (Unesp)
Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) – SiSU
Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
Universidade Metropolitana de Santos (Unimes)
PUC-Campinas
PUC-Paraná
Instituições em que Marcela não foi aprovada
Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

No total, Marcela prestou 13 vestibulares. Passou em nove, não passou em quatro (veja quadro ao lado). A estudante já decidiu: vai fazer o curso de medicina da USP.

Filha de um bancário e uma profissional de biblioteconomia, a estudante diz que seus pais nunca exigiram que ela fosse uma aluna excelente e tivesse sucesso no vestibular. A mãe, inclusive, avisou que a família faria um esforço para mantê-la em uma universidade particular caso ela não conseguisse vaga nas públicas. Porém, Marcela nem trabalhou com esta hipótese.

“Sempre fui exigente demais comigo. Na escola se eu tirasse nove ficava mal e ia questionar o professor”, disse Marcela ao receber a reportagem do G1 em sua casa, no bairro de Pirituba, em São Paulo, na manhã desta quarta-feira (9). Em plena entrevista, o nome da vestibulanda aparecia em mais uma lista, a dos aprovados em medicina pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Mesmo antes de concluir o ensino médio, o nome da estudante já aparecia na lista de classificados da USP. No ano passado, ela foi aprovada como treineira na área de biológicas, e no primeiro ano do ensino médio também passou para a segunda fase, mas não fez a prova porque foi viajar.

Estudante já havia sido aprovado como treineira na Fuvest em 2010 (Foto: Raul Zito/G1)Estudante já havia sido aprovado como treineira na
Fuvest em 2010 (Foto: Raul Zito/G1)

Quando criança, ela ‘pulou’ um ano
Ainda criança, Marcela mostrou seu potencial. Quando tinha 6 anos, sua mãe foi informada pela professora de educação infantil da escola onde estudava que a menina já estava alfabetizada e portanto atrapalhava o andamento da turma, por isso deveria ser matriculada no primeiro ano do ensino fundamental, ou seja, “pular” um ano. A mãe, na época, teve dificuldades de encontrar um colégio que aceitasse a matrícula já que a menina ainda não havia completado 7 anos.

Marcela fará 17 anos no próximo dia 22 de fevereiro. Para ela, a pouca idade não será problema quando estiver na faculdade. “Todo mundo estará lá com o mesmo objetivo. Foi difícil para todo mundo da mesma forma, por isso a idade não faz diferença.”

Aluna do Colégio Integrado Objetivo, em São Paulo, Marcela diz que não esperava passar em nenhum dos vestibulares que prestou. Tanto que chegou a se matricular como garantia na PUC-Paraná, uma das primeiras instituições a divulgar o resultado. “Toda vez que via meu nome na lista de aprovados ficava muito surpresa”, afirma.

Dedicação
Tanto sucesso não foi à toa. Marcela sempre foi boa aluna, ama ler e reservou o ano de 2010 para se preparar ao vestibular. Desistiu das aulas de balé, jazz e sapateado, das conversas com os amigos pela internet, e dos passeios. No máximo, dava uma volta de meia hora de bicicleta, pelo bairro onde mora, em Pirituba, aos domingos.

De manhã, frequentava as aulas regulares do terceiro ano do ensino médio, e à tarde aproveitava as atividades extras da escola, como plantão de dúvidas e aulas de redação. Em casa estudava na escrivaninha no quarto, sob silêncio total. “Nunca fui de ficar estudando o tempo todo, mas prestava muita atenção nas aulas. Os professores dão dicas do que vai cair e há questões modelo que você pode treinar”, destacou.

Nas horas de descanso dos estudos, Marcela gostava de andar de bicicleta (Foto: Raul Zito/G1)Nas horas de descanso dos estudos, Marcela gostava de andar de bicicleta (Foto: Raul Zito/G1)

A tática de Marcela foi inversa da maioria dos vestibulandos. Entre janeiro a maio de 2010, ela pegou pesado nos estudos, e relaxou no segundo semestre. “Não dá para estudar como maluca. Você fica muito cansada e dá mais nervosismo na hora da prova.”

Escolha
A opção por estudar medicina veio de empurrão dos pais que consideram que ela tem perfil para carreira. A garota não imagina como será o curso, nem tem ideia da especialidade que pretende seguir. No momento, está ansiosa com o trote. “Estou com um pouco de medo, mas conheço uma menina que está no segundo ano que pode me ajudar”, brinca.

Concluída a missão de passar no vestibular, Marcela tem planos de fazer dança de salão e voltar a viajar – uma de suas paixões. Quando fez 15 anos pode escolher entre uma festa e uma viagem. Fez a segunda opção e passou 30 dias viajando pela Europa com a irmã que também seguiu carreira em saúde e é dentista. Para comemorar o sucesso nos vestibulares, Marcela pretende fazer uma nova viagem com os pais.

Veja dicas de estudos da vestibulanda
– Se possível, dedicar o ano aos estudos e dispensar demais compromissos;
– Não estudar muitas horas por dia;
– Prestar atenção nas aulas e nas dicas dos professores;
– Responder questões de vestibulares anteriores, pois muitos modelos são mantidos;
– Ler revistas, jornais, livros e sites informativos;
– Aos alunos que ainda não estão no terceiro ano, vale a pena prestar vestibular como treineiro;
– Revisar a matéria do dia, em casa;
– Fazer uma redação por semana;
– Buscar formas de relaxar o corpo e a mente pelo menos uma vez por semana;
– Evitar comidas pesadas, como fritura, principalmente antes das provas.

Pedagogo explica o que fazer antes de escolher a carreira; leia entrevista na íntegra

19/09/2010 – 08h11

GERMANO ASSAD
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

O pedagogo Silvio Bock, diretor do Nace, empresa de orientação profissional, já ajudou milhares de jovens no difícil momento de decisão por um curso superior.

Letícia Moreira/Folhapress
Silvio Bock, 58, consultor de orientação profissional, fala em entrevista à Folha sobre as profissões recém-criadas.

O método da abordagem sócio-histórica, criado por ele, leva em conta a evolução da sociedade, das instituições e das tecnologias. E emprega um processo que contextualiza as necessidades e anseios da adolescência com a realidade do mercado e dos campos de trabalho.

Confira a entrevista com o consultor, que fala sobre as profissões recém-criadas:

*

FOLHA – Como surgem as novas profissões?
SILVIO BOCK – Mercado de trabalho é uma relação concreta de oferta e procura. Campo de trabalho é o potencial de trabalho que uma dada área, não necessariamente convertida em mercado, possui. E aí estão incluídos os campos já conhecidos e os campos a conhecer. Ou seja, estou dizendo que as profissões e ocupações têm movimento, elas não são estáticas no tempo. Se as profissões quiserem continuar existindo, logicamente elas têm que criar novos campos de trabalho, novas possibilidades de intervenção ­ o que as profissões tradicionais fazem com muita percepção da realidade, novas possibilidades. O direito, por exemplo, área mais tradicional do que esta não existe. E você tem áreas novas como o direito internacional, o direito ambiental, o direito do consumidor que é muito recente, os direitos difusos que existem hoje e são estudados na USP, quer dizer, as profissões são capazes de criar novos campos de trabalho. Isso é importante dizer, elas não surgem do nada essas necessidades, esses novos cursos. Provavelmente elas já existem na realidade e as instituições captam essa existência, ou uma tendência e acabam colocando isso de uma maneira formalizada na universidade, ou num curso técnico, ou num curso livre.

Muitas das profissões criadas eram inclusive cadeiras de outros cursos.
Como zootecnia era uma cadeira de veterinária, tempos atrás. E acaba se destacando. Esse preâmbulo é importante para dizer que não é do nada, não são invenções simplesmente. Elas conseguem captar uma necessidade. Se elas vão sair da ideia do campo para se transformar em mercado são outros quinhentos. Então, por exemplo, os cursos da USP, tirando duas ou três exceções da zona leste, são invencionices que não tiveram respaldo no mercado de trabalho. Aquele curso de gerontologia foi uma invencionice porque gerontologia é um campo de trabalho da medicina, da fisioterapia, da psicologia, da fonoaudiologia, da terapia ocupacional, é um campo conhecido.

Mas vemos sinais, no mundo todo, que a população idosa está crescendo, e muito, será que não há uma defasagem de médicos, fisioterapeutas e profissionais para atender esse público? Será que não há de fato uma demanda que não vem sendo suprida?
Isso tem que ser levado em conta. Mas de qualquer forma é uma invencionice, porque as pessoas não encontram local para trabalhar. Porque pode ser uma especialização de várias possibilidades. Não sou contra, de repente poderia ser um belíssimo curso de pós, mas fazem uma graduação. Aí temos o problema específico do curso de obstetrícia. Quer dizer, inventaram esse curso em cima de uma justificativa até lógica, só que a própria USP não reconheceu os formandos de obstetrícia, tanto é que o curso foi transformado em um curso de enfermagem. Então, os cursos da USP, a parte têxtil houve um bom reconhecimento, até mudou de nome, ele atingiu de fato uma necessidade, é um curso que teve respaldo e teve um reflexo na realidade. Mas outros, o marketing, por exemplo, é uma área existente, que eles traduzem num curso específico. Aí a pergunta é como é que as pessoas chegam no marketing, ou via publicidade ou pela administração de empresas, são duas possibilidades de formação. A USP inventa esse curso, que pode ser interessante, mas não fica claro que profissional é esse. Então, nós temos que tomar cuidado em falar de novas áreas de intervenção e novos cursos. Quer dizer, a nanotecnologia é uma área que já existe, está havendo um desenvolvimento visível, já tem físicos, engenheiros trabalhando com isso, e de repente surge uma nova área, como a biotecnologia também, área de trabalhar com genética, transgênicos… e a nossa questão geral é que o problema da graduação é que cada vez existem mais especialidades, esse educomunicação, da USP, é muito interessante, é feito na comunicação, quer dizer… habilita para dar aulas de comunicação e desenvolver projetos midiáticos no ensino fundamental e no terceiro setor. É uma coisa muito interessante, formar um profissional para essa área, não acho ruim. Agora… tem pedagogia aqui? Cadê a pedagogia? Não estou vendo… não tem. É um curso que está percebendo uma realidade, agora, saber se ele vai encontrar respaldo nessa realidade é outra história. A FAAP tem um curso de pós nessa área, de educomunicação. Aí vem gente da comunicação, da pedagogia, da psicologia. Então, na minha opinião, falta um pouco de critério. As faculdades privadas estão garimpando mercado e buscando novas possibilidades de ganho. Quem é muito perspicaz nisso é a Anhembi, que tem muitos cursos diferentes. Alguns pegam e outros não pegam. Os que não pegam eles fecham, não tem problema algum, e logo lançam outros.

Nessa questão da nanotecnologia, há um documento, do programa preliminar do Plano Plurianual 2004 – 2007 para Desenvolvimento da Nanociência e da Nanotecnologia no Brasil que alega inviabilidade na criação de cursos de graduação.
Vamos lembrar… isso de não ser viável é complicado. Muitos anos atrás surgiu um curso de oceanografia no Rio de Janeiro, criada pela UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), em 1979. E a USP falava não, oceanografia não pode ser um curso de graduação, tem que ser um curso de pós-graduação, eles tinham o instituto oceanográfico, tinham uma belíssima pós-graduação e nunca abriram o curso de oceanografia. Estamos falando da década de 80, 90, eles tinham essa posição. E hoje, recentemente, a própria USP abriu um curso de oceanografia. Quer dizer, falar que não é viável também não diz muita coisa. Não é viável segundo a perspectiva de alguém.

Temos que alertar o pessoal sobre os cursos “caça-níquel”, que em entidades privadas são compreensíveis, mas nas públicas, acontecem por pura falta de critério?
Eu me interessei e fui atrás de informações para saber porque fizeram esses cursos na zona leste. E a resposta é que foram feitos estudos, e que não pode haver cursos de pós-graduação na mesma área, é uma norma do estatuto. Mas vamos lembrar outras histórias. A USP, muitos anos atrás, teve uma divisão no curso de Educação Física e criaram o curso de Esportes. Então hoje existe esportes e educação física, que não existia antes. Se você verificar porque isso aconteceu, o que aconteceu, há um estudo aprofundado? Que nada, é uma briga de departamento, uma briga de pessoas e existe até hoje perturbando a vida de nossos infelizes alunos do ensino médio que precisam optar entre um e outro e nunca fica muito claro o que o outro faz. Então não dá pra pensar que tudo foi feito numa sólida base… quer dizer, o curso de gerontologia não precisa fazer pesquisa, é só pegar a questão demográfica no mundo e no Brasil também, a população idosa é crescente, por isso várias profissões começam a se dedicar também a questão do idoso, então você tem o turismo do idoso, a fisioterapia, a medicina, a terapia ocupacional, a educação física… e aí se cria o curso de gerontologia, que traz um foco específico, o que é interessante, mas… onde é que vai trabalhar esse cara da gerontologia, que não é médico, que não é fisioterapeuta, que não é educador, eu não sei. Não sei se vai encontrar espaço, apesar de dizer: o mundo está envelhecendo. As profissões não surgem do nada, na verdade a necessidade vem se constituindo na mudança da sociedade, nas mudanças da tecnologia, e de repente um curso se destaca. Em geral já existem pessoas intervindo nessa área antes da formalização do curso, quase sempre, se não for um curso inventado. A nanotecnologia surgiu porque algumas pessoas de algumas áreas, principalmente da química, começaram a atuar nessa área, lógico que é uma área nova. Agora, se formar nessa possibilidade diretamente é um risco, porque você não tem outras formações que pudessem te deixar mais flexível no mercado, por outro lado, você tem uma superespecialização que é uma vantagem. No caso da nanotecnologia que dizem que é uma tecnologia que veio pra ficar, que está nas nossas vidas, não que seja futuro, já está presente em nossas vidas. Aí depende de caso por caso, porque no Brasil nós temos a tradição de uma formação muito específica. Estava lendo um artigo de um pesquisador, engenheiro, onde ele propõe a normatização de nomenclatura para cursos. Porque hoje, a USP oferece vinte e tantas engenharias, e tem muito mais. Engenharia física, será que é necessária? Com esse nome? Alguém inventou.. então é um movimento de pêndulo, é um avanço que pode também significar um retrocesso, pode significar ainda uma esperteza de alguém para abrir um curso e capturar algum tostão, a universidade pública não é tão bonita e perfeita, um grupo de professores que decide rachar e consegue poder para instituir uma nova faculdade…

Como se precaver?
Tem que buscar informações de todos os lados. Ele tem que não só ler o folheto do curso, que é uma fonte de informação, mas tentar buscar outras possibilidades, conversando com profissionais, da área ou que estão próximos da área. Também pesquisando a qualidade da instituição que oferece o curso, hoje se tem a avaliação da instituição como um todo, o MEC promove, se é uma instituição que está bem ou não avaliada, também dá o caráter disso.

Na sua opinião, algum dos cursos não deveria estar na lista?
A obstetrícia, da USP, educação especial, eu não entendo isso. Eu sou pedagogo de formação, é uma possibilidade de formação dentro da pedagogia e já existia, não é nova, quer dizer, é nova em função deste momento, que fala-se em legislação específica da área, que busca integração, mas dizer que é nova, não sei. Jogos digitais é uma realidade de fato, que junta design com computação. Agroecologia, eu conheço mil intervenções. É um curso específico para fazer a produção agrária de forma ecológica. É uma visão, eu conheço a termacultura, que é uma filosofia de resposta ao mundo, de como deveriam ser as moradias e o plantio. Essa aqui pega uma moda, perfeito… agora, porque não ser uma grande cadeira do curso de agronomia? Petróleo e gás, na verdade poderia ser uma especialização de cursos que já existem como engenharia de minas e geologia, que vem com essa moda do pré-sal, que vai contra o digamos assim, pessoal mais ecológico.

Sobre as graduações tecnológicas…
Essas formações tecnológicas se multiplicaram com a ideia de suprir as necessidades regionais. É como o curso de fotografia do SENAC, é super legal, mas quatro anos… é como esse outro de estética, o visagismo. É ótimo, mas podia ser tecnológico, e não bacharelado de quatro anos… mas isso ainda precisa se provar no mercado. A questão do mercado de trabalho no Brasil é uma coisa complicada, primeiro porque há uma disfunção salarial muito desequilibrada, e o mercado se aproveita disso. Então, de repente, o mercado pode começar a considerar que a formação tecnológica é uma formação de segunda linha. Eu não sou contra, mas pode considerar, e a pessoa pode ter dificuldades de ascensão por não ter bacharelado. Pode ser um critério de seleção. Mas ainda é muito pouco tempo pra que se tenha clareza, o que se sabe é que esse mercado tecnológico na área de eletrônica tem sido capaz de incorporar as pessoas formadas. Mas será que está havendo uma diferenciação (e isso eu não sei te responder) entre salários e cargos de tecnólogos e bacharéis?

De qualquer maneira, os tecnólogos podem continuar complementando a formação.
Podem inclusive complementar seus estudos e conseguir um bacharelado, ou entrar direto em uma pós, sem problema algum.