Google procura estagiários brasileiros

Por Renan Hamann em 5 de Fevereiro de 2013

Google procura estagiários brasileiros (Fonte da imagem: Reprodução/Cia de Talentos)

A Google abriu 25 novas vagas para estudantes brasileiros — desde que terminem a graduação em dezembro deste ano ou janeiro de 2014. São posições para vendas, marketing, recursos humanos e várias outras áreas. Todos os candidatos devem estar matriculados em cursos de quatro ou cinco anos e também devem estar disponíveis para trabalhar em São Paulo durante os meses de julho de 2013 a janeiro de 2014.

Também é necessário que todos tenham excelente comunicação oral e escrita nos dois idiomas exigidos pela Google: português e inglês. Por fim, os candidatos devem fornecer dados atualizados dos históricos acadêmicos exigidos pela empresa. Depois de se cadastrarem para as vagas (por este link, totalmente em inglês), os candidatos podem ser chamados para uma série de entrevistas e testes antes de chegar efetivamente à vaga.

Você também pode verificar mais detalhes sobre as vagas por este link (você será redirecionado à página do Programa de Negócios da Google). Isso inclui os departamentos para os quais os estagiários estão sendo procurados e também quais serão as etapas de testes realizados para a seleção de novos talentos.

Fonte: Google Brasil (Google+)

Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br/google/36338-google-procura-estagiarios-brasileiros.htm#ixzz2K7jrGMsw

 

Business Internship program – Brazil

Interns at Google do cool things that matter, working on major products that impact hundreds of millions of users and making major contributions to our business. Our seven-month internship program is designed to give interns real experience in our business, helping you develop the analytical skills and entrepreneurial drive that we seek at Google.

The program includes on-the-job trainings, engagement with leadership and fun social events to help interns get to know one another. At the end of the program, all interns are considered for potential full-time employment. The program runs from July 1, 2013 through January 2014.

Interns will work in one of the following areas:

  • Advertising Sales
  • Business Strategy
  • Human Resources
  • Legal
  • Marketing
  • Media Services
  • Partnerships
  • Product
  • Sales Finance
  • Youtube

Allowance and benefits

In addition to working on cool projects, you’ll benefit from a competitive allowance and a generous program designed to keep Google a healthy, energetic, and productive place to work. This includes all the great perks that make Google Googley — free gourmet meals, massage therapy and access to our weekly company-wide meeting with the founders, TGIaF (Thank God It’s Almost Friday!).

Selection Process Steps

  • Registration + online test – February 4th to March 11th
  • Interviews with Cia de Talentos (via Google+ Hangouts) – April 1st to April 17th
  • HR interviews (via Google+ Hangouts) – April 26th to May 10th
  • Final interviews with hiring managers (via Google+ Hangouts) – May 20th to June 12th
  • Start date – July 1st

Requirements:

  • Candidates must be currently enrolled in a four or five-year undergraduate course at a university in Brazil and plan on graduating in December 2013 / January 2014.
  • Candidates must be able to intern in São Paulo from July 2013 to January 2014.
  • Candidates will need to provide updated academic transcripts before interviewing.
  • Candidates need to have excellent written and verbal communication in English and Portuguese.

You can follow +Google Brazil to get Business Internship Program updates.

Application:

To apply, please use the Cia de Talentos application page. Please note: the application is run by third-party services. By clicking this link you will be taken to a page that is not hosted by Google. This third party will screen resumes but Google will conduct the interviews and make final hiring decisions.

© Google · Privacy policy

Conheça as dez profissões em alta no mercado de trabalho

Amanda Previdelli | 03/05/2012

A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) divulgou um relatório detalhando como a expectativa de contratação para os próximos anos permanecerá aquecida no país. A pesquisa, que ouviu 402 empresas brasileiras, buscou fazer um levantamento dos setores que mais vão demandar profissionais nos próximos anos.

Engenheiro do ano dá dicas sobre a carreira de Engenharia Civil

De acordo com o estudo, a área de engenharia, junto com o segmento comercial, devem ser as que mais vão mostrar crescimento e vão se manter aquecidas nos próximos anos. Além disso, as empresas buscam uma mão de obra melhor qualificada. Mais da metade delas, por exemplo, já considera indispensável que o candidato possua ensino superior completo. Quase 70% ainda afirmam que algum tipo de pós-graduação também é interessante para quem quer concorrer a uma boa vaga de emprego.

Confira a lista das dez profissões em alta:

  1. Engenheiro de petróleo
  2. Engenheiro de mobilidade
  3. Engenheiro ambiental e sanitário
  4. Médico do Trabalho
  5. Gerente de Recursos Humanos
  6. Controller (contabilidade)
  7. Advogado de contratos
  8. Gerente comercial/vendas
  9. Biotecnologistas
  10. Técnico em Sistemas de Informação

Related posts:

  1. Os dez melhores empregos de 2012

Estudar em universidades renomadas faz a diferença?

Provavelmente você já escutou por aí que os alunos de instituições de ensino superior renomadas conseguirão um emprego mais facilmente do que os estudantes de faculdades menos conceituadas. Será mesmo?

Por Fábio Bandeira de Mello, http://www.administradores.com.br

Diferente de muitas pessoas que ficam com aquela dúvida sobre qual curso fazer, Tiago Vicari já sabe muito bem qual área vai seguir: Administração de Empresas. Apesar de ter 17 anos, ele já se imagina coordenando áreas, criando novas formas de pensamento para solucionar problemas, administrando bem as finanças e, claro, desfrutando de uma boa remuneração. Porém, se a indecisão não é na escolha do curso (comum a muitos jovens), o receio dele está em escolher onde estudar. “Minha dúvida é saber se compensa fazer o curso em faculdades menos famosas e se o mercado valoriza essas instituições”, comenta.

E o tema se tornou debate onde estuda. “Na verdade, o que faz com que eu pense nisso é a forma como minha escola nos orienta sobre o assunto. Segundo vários professores e as pessoas que trabalham lá, as melhores oportunidades surgem quando se tem uma universidade ‘com nome’ no currículo”, declara Tiago.

A preocupação dele não surgiu à toa. Muito se diz sobre o peso do “nome da universidade” no currículo dos profissionais, mas você saberia dizer o que há de realidade sobre o tema? Até que ponto o nome da instituição de ensino pode influenciar a escolha dos recrutadores em uma entrevista?

Imagem: Thinkstock


Verdades e mentiras

Entrar e concluir uma formação profissional numa instituição de ensino superior no Brasil, de fato, não é para todos. Segundo o último levantamento da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), apenas 11% da população brasileira com idade entre 25 e 64 anos têm ensino superior. O número, aliás, nos deixa no último lugar em um grupo de 36 países ao avaliar a quantidade de graduados na população. E quando se trata das universidades mais conceituadas, esse número de pessoas que consegue o diploma é ainda menor.

O gestor de carreira da RH Capital, Sidney Alves, revela que o nome da universidade influencia sim e, em alguns casos, é determinante na decisão dos recrutadores em uma entrevista de emprego. “O ingresso em uma universidade renomada exige um esforço maior para passar no vestibular devido à maior dificuldade no teste. Além disso, o grau de exigência dessas instituições é geralmente alto durante a graduação”, explica Sidney.

Quando se trata de candidatos recém-formados ou ainda estudantes, o peso dessa escolha é mais acentuado. Jussara Dutra, gerente de Desenvolvimento Humano e Organizacional da Senior, explica que o tipo de vaga interfere. “Por exemplo, em programas de estágio e trainee, nos quais há pouca experiência profissional e a concorrência é muito acirrada, a formação em uma universidade de renome pode fazer a diferença, principalmente no que diz respeito a áreas técnicas”, revela a consultora.

Mas você saberia identificar uma “universidade de renome”? Uma das formas é conferir a avaliação do Ministério da Educação sobre a instituição. Para isso, existe o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), que é formado por três componentes principais: a avaliação das instituições, dos cursos e do desempenho dos estudantes. Além disso, é possível encontrar ajuda em revistas e jornais especializados que produzem rankings de qualidade e através de contato com pessoas que já passaram pelas instituições.

Diferencial passageiro

Mas quem acha que apenas estudar em uma universidade renomada será sempre um diferencial para concorrer no mercado está profundamente enganado. Especialistas em recursos humanos são unânimes ao afirmarem que, quando a vaga requer uma experiência específica, a maturidade profissional anterior conta mais na hora da escolha dos candidatos.

“Existe um consenso de que após cinco anos da formatura a experiência importa mais do que o nome da universidade. Mesmo que a instituição seja importante, a bagagem profissional do candidato vai influenciar mais na sua atuação. O perfil do candidato, outros conhecimentos e suas competências se tornam mais fundamentais”, declara Sidney Alvez.

Para Luiz Edmundo Rosa, diretor nacional de educação da ABRH Nacional, com o tempo, nada substitui a prática do dia a dia e o perfil de competências que o profissional adquire. “Cada vez mais se reconhece que o importante na seleção de um candidato a emprego é medir suas competências, incluindo seus conhecimentos e potencial. Tudo aquilo que evidencie na pessoa seus valores, determinação, iniciativa, capacidade de inovar e de empreender”.

Outros valores

Na busca de um “lugar ao sol” no mercado, outro fator que colabora na conquista para uma vaga é o constante aprimoramento. “O mercado muda muito e requer um profissional atualizado e com a qualificação que o cargo exige. Para isso, pode ser considerado um diferencial o domínio de outros idiomas, fazer uma pós-graduação ou MBA, participar de eventos e atuar em associações e cursos de curta duração com foco específico”, declara Jussara.

Mas para aqueles que ainda não possuem um currículo diferenciado e querem conquistar uma oportunidade, Luiz Edmundo revela uma dica: “conta muito o nível de preparação para a entrevista, em que a pessoa estudou bem a empresa, conhecendo sua estratégia, planos de investimentos, produtos, concorrentes, etc. Hoje essas informações estão disponíveis na internet e é só pesquisar”.

Portanto, independente de você possuir um bom currículo ou um ainda não tão bom assim, demonstrar sempre determinação, vontade e personalidade nas tarefas exigidas são trunfos para te ajudar a ter mais sucesso no presente e no futuro da sua carreira.
Curta o Administradores no Facebook e siga os nossos posts no @admnews.

Muita descontração pode prejudicar sua carreira

No ambiente de trabalho é bom tomar cuidado, não exagere na descontração para não parecer inconveniente.

Yngrid Paixão – Empregos.com.br

Muita descontração pode prejudicar sua carreira
Hoje em dia na maioria das empresas o clima não é mais tão formal como antigamente, porém, essa descontração sempre tem um limite. Não é porque você se sente a vontade no seu ambiente de trabalho que você vai se comportar como se estivesse num bar, com seus amigos. Por isso, separamos uma lista dos principais erros comportamentais nas empresas.

  • – Atraso: O fato de ter amizades e se sentir sobrecarregado, não te dá o direito de chegar atrasado. O atraso é considerado uma falta de respeito com seus colegas e superiores, pois todos têm um horário a cumprir, portanto cumpra-o.
  • – Reunião: Quando estiver numa reunião dedique-se a ela, preste atenção e mantenha o foco, caso precise realmente resolver algum outro assunto, peça licença e saia. Jamais atenda celular, ou converse com um colega enquanto a reunião estiver em andamento. E no caso de você estar fora da reunião e precisar urgente de alguém que esteja dentro, bata na porta, peça licença e entre devagar, faça o possível para não atrapalhar.
  • – Brincadeiras: Mantenha sempre o respeito com seus colegas, principalmente se forem fazer brincadeiras. Existe um limite muito delicado para piadas. Algumas delas podem soar preconceituosas e de mau gosto, portanto, pense bem antes de brincar, mesmo com aquelas pessoas que você tem maior intimidade.
  • – Broncas: Jamais dê broncas ou chame a atenção de alguém na frente de outras pessoas. Lembre-se que ali é seu ambiente de trabalho, as pessoas que ali se encontram, são apenas colegas de trabalho, mas uma vez mantenha o respeito.
  • -Pressão: Cuidado quando for cobrar alguém de alguma determinada tarefa, lembre-se que cada um tem seu tempo e prioridade para realizar determinada coisa. Tenha paciência e educação quando precisar fazer pressão, mas não fique no pé de ninguém nem perturbe o ambiente, pois, no fim, o prejudicado pode ser você.
  • – Discrição: Mantenha sempre a discrição na hora de se referir ou olhar para alguém, as pessoas podem se sentir incomodadas ou até mesmo desrespeitadas. Nunca se esqueça de que está no trabalho e não num bar, seja sutil.

Matérias relacionadas:
O mau comportamento de um profissional pode ser identificado nos testes seletivos?
10 gafes que arranham sua imagem profissional
Etiqueta no ambiente de trabalho