Novas Regras do Enem

Por Mundo Vestibular O Edital do Enem 2013 foi divulgado em maio e, com ele, novas regras para o Exame Nacional do Ensino Médio. As principais mudanças do Enem estão relacionadas à correção das redações e à isenção da taxa de inscrição.

Como vai funcionar a correção da Redação do Enem 2013

Em 2013, três principais mudanças conferem mais rigor à correção da redação do Enem:
1) Erros
Em 2013, haverá menos tolerância com erros ortográficos e gramaticais. Eles serão aceitos se forem excepcionais e não reincidentes.

2) Terceira correção
Caso haja uma diferença de 100 pontos entre a avaliação de dois corretores, um terceiro avaliador fará a correção. No ano passado, essa correção extra acontecia apenas se a discrepância fosse de 200 pontos.

3) Inserções indevidas
Inserções indevidas são trechos desconectados do tema proposto. Em 2013, a redação que tiver inserções indevidas receberá nota zero. Até o ano passado, era aplicada apenas uma redução de pontuação.
Além disso, caso uma redação receba nota máxima, 1000 pontos, mas contenha algum tipo de erro, os avaliadores precisarão justificar sua pontuação.

Isenção da Inscrição do Enem 2013

Continuam isentos da inscrição do Enem aqueles alunos que estiverem cursando o terceiro ano do ensino médio em escolas públicas, os que já se formaram e apresentarem documentação comprovando baixa renda e os que sempre estudaram na rede pública. A diferença é que o teto de renda para isenção mudou para 1,5 salário mínimo

de renda familiar mensal per capita (antes era de um salário mínimo).
O valor da inscrição, para quem não se encaixa nos critérios de isenção, é de R$ 35,00.

[Ache os cursos e faculdades ideais para você!]

Dicas infalíveis para passar no Vestibular

Por Mundo Vestibular O Mundo Vestibular preparou dez dicas infalíveis para você passar no vestibular.

1. Descubra o seu estilo de aprender

Se o autoconhecimento — saber quem você é, seus valores, suas aspirações e habilidades — foi fundamental para escolher o curso na hora de se inscrever no vestibular, saber um pouco mais sobre si mesmo também vai ajudar na hora de se preparar para o exame. Descobrir de que jeito você aprende melhor economiza tempo e energia!
Já percebeu como algumas pessoas fixam melhor a matéria desenhando esquemas? Que aqueles que precisam ler tudo em voz alta? E que outros vão direto resolver os exercícios, para só depois consultar a matéria?
É claro que a gente não aprende de um só jeito, mas conhecer as preferências do seu cérebro ajuda a escolher, por exemplo, entre começar a estudar literatura fazendo uma ficha de resumo ou atacando um simulado.
Descubra seu estilo de aprendizagem e o que fazer para tornar seu estudo mais eficiente neste artigo.

[Ache os cursos e faculdades ideais para você.]

2. Faça um reconhecimento do terreno

Uma boa maneira de se preparar para o vestibular da faculdade dos seus sonhos é saber onde você está pisando. E a melhor maneira de fazer isso é analisar as questões dos anos anteriores de todas as matérias.
Procure os cadernos de prova e gabaritos dos três últimos anos — normalmente eles são publicados no site da própria universidade, na seção “vestibular”.
Com os cadernos de prova em mãos, reproduza a mesma situação de cada um dos dias da prova (não faça mais de uma prova por dia!!): reserve o tempo exigido para a resolução das questões, tranque-se no quarto com água e algum lanche, use apenas o material permitido na hora da prova e faça seu próprio simulado.
Depois de resolver tudo, confira o gabarito, anote o que tem dificuldade, reforce essa matéria e não descanse enquanto não compreender aquilo que não acertou. Faça o mesmo com as demais provas dos anos anteriores.
Após conferir as questões e sua pontuação, com a cabeça fresca, analise o tipo de questão, se tem “pegadinha” e qual a proporção de questões fáceis, médias e difíceis, por exemplo. Isso não garante que você adivinhe como vai ser a próxima prova, mas deixa você mais tranquilo e preparado para o que está por vir.

Encontre aqui provas de outros anos dos principais vestibulares do País.

3. Fique um pouco offline

Na hora da prova, você não vai poder usar o celular, o computador, a calculadora ou qualquer tipo de ajuda. Na sua rotina de estudos, inclua uns momentos completamente desligado de aparelhos eletrônicos, internet, redes sociais, música, celular, calculadora.
Além de ajudar na concentração e fazer com que os viciados não passem mal na hora da prova por não poderem usar celular, resolver as questões sozinho treina o raciocínio e a agilidade, qualidades importantes para quem quer passar no vestibular. Ou você quer perder minutos preciosos da prova de matemática porque não está acostumado a fazer contas de dividir e multiplicar sem a calculadora do lado?

4. Saco vazio não para em pé… nem estuda direito.

Cuide do corpo e da mente para aguentar a maratona de estudos. Não é o momento de encarar dietas malucas, virar noite na base do café + refrigerante + energético + guaraná em pó, ou se entupir de doces e chocolates “pra dar energia”. É uma época de privações, sim, mas não de se detonar. Dê ao corpo as três coisas que ele mais vai precisar: dormir, comer, mexer.

Dormir: estabeleça uma rotina de quantidade de horas de sono, com hora para dormir e para acordar, respeitando os seus limites. Algumas pessoas precisam de 10 horas de sono para funcionar no dia seguinte, outras sentem-se bem com 5 horas. Descubra a quantidade ideal de sono para você e siga essa rotina. Procure manter essa rotina também nos fins de semana. É que uma noite maldormida, seja por motivo de estudo ou de festa, tem muito mais consequências do que dificuldades de raciocínio, concentração e memória no dia seguinte. Pesquisas indicam que o organismo pode levar até 10 dias de sono normal para se recuperar de uma noite em claro!

Comer: assim como o sono, sua alimentação precisa ser regrada, sem excessos ou privações. Prefira os alimentos naturais aos industrializados e procure comer frutas, verduras e legumes. Eles fornecem as vitaminas que seu cérebro vai consumir para resolver aqueles exercícios todos! Evite o excesso de cafeína, principalmente à noite, e tome muito cuidado com os doces e chocolates em excesso. Eles dão a sensação de aumento de pique num primeiro momento, mas em seguida acontece o efeito rebote: a glicose cai a níveis mais baixos do que antes, fazendo com que você entre num ciclo de consumo de mais doces ou, dependendo do organismo, sinta-se fraco e até mesmo tenha desmaios. Vai ficar fora de casa muitas horas com aulas no cursinho? Carregue sempre um lanche leve e saudável na mochila.

Mexer: pode ser que você não consiga encaixar a academia ou o futebol com os amigos por uns tempos enquanto estuda para o vestibular. Mas se puder, ótimo! Uma caminhada, natação ou passeio de bicicleta também ajudam a desestressar a mente e oxigenar o corpo.
Faça também pequenos intervalos nas horas de estudo para se mexer. Levante da cadeira, alongue a coluna, os braços e pulsos, relaxe os ombros e respire! Faça isso a cada 45 minutos, aproximadamente. Se estiver no cursinho, aproveite os intervalos para caminhar pela sala, esticar as pernas, dar uma volta pelo corredor. A tensão nos ombros e pescoço pode prejudicar o fluxo de sangue e, consequentemente, a oxigenação do cérebro, tudo o que você não quer quando está estudando!

5. Troque a procrastinação pelo foco

Deixar para a última hora é um verdadeiro tiro no pé para o vestibulando. Se você tem a tendência de empurrar as tarefas chatas com a barriga e arrumar desculpas para não seguir seu plano de estudo, combata a procrastinação com técnicas que ajudam a manter o foco — e algumas fazem a gente produzir mais sem nem perceber o tempo passar.
Veja três métodos fáceis e comprovados para ter foco nos estudos neste artigo

.

6. Leia mais para escrever melhor

Os livros obrigatórios, revistas semanais, artigos em jornais, algum livro mais leve sobre um assunto de que você gosta…
A leitura ajuda muito a organizar as ideias para fazer a redação do vestibular, dá repertório e cultura, elementos para argumentar bem, vocabulário mais rico e reforça a gramática e ortografia.
E além de melhorar a redação, ler bastante ainda tem dois ótimos efeitos colaterais: ajuda a se expressar melhor nas questões dissertativas e, no caso de jornais e revistas, garante que você não vai ficar boiando nas questões sobre atualidades.

Veja mais artigos sobre como fazer uma boa redação aqui.

7. Não faz mal pular os obstáculos de vez em quando

Sabe quando a gente empaca em uma questão difícil? Em vez de ficar remoendo e se desgastando para chegar à solução, às vezes o melhor mesmo é deixar o problema de lado, dar um tempo, fazer outras coisas ou estudar outras matérias e voltar um, dois dias depois, com a cabeça fresca. O mesmo vale para o dia da prova do vestibular. Encontrou uma questão muito difícil? Pule para a seguinte e volte depois para resolver.

8. Crie seu próprio código de estudo

Alguns usam canetas coloridas, outros preferem resumir tudo em fichas e há aqueles que criam ícones e símbolos para representar conceitos. Não existe uma fórmula única de sucesso para as anotações do vestibulando. O ideal mesmo é descobrir o que funciona para ajudar você a memorizar, compreender, analisar e absorver o conteúdo.

9. Pergunte… e responda!

Se estiver frequentando aulas, aproveite para perguntar, tirar todas as dúvidas. Não tenha vergonha, mesmo que a pergunta pareça boba para você. Leve para a sala de aula aqueles exercícios e questões de prova que você não conseguiu resolver.
Ensinar também ajuda a aprender, sabia? Encontre colegas com quem você tem afinidade e recorra a eles para trocar conhecimento. De repente ele precisa de ajuda em uma matéria que para você é tranquila e pode te ajudar naquelas que você tem mais dificuldade… algumas pessoas até estudam melhor em grupo.

10. Ligue os pontos
Procure enxergar a conexão entre temas, disciplinas e atualidades. Muitas universidades incluem questões multidisciplinares em suas provas do vestibular, seja no formato objetivo ou dissertativo. Ter uma visão mais ampla e conectada das coisas também ajuda a fixar conceitos e a combater o “branco” na hora da prova. É só ir puxando o fio do raciocínio que você consegue lembrar do que precisa.

Nota de Corte do Sisu 2013

Por Mundo Vestibular Os candidatos a entrar em uma faculdade ou universidade pública pelo Sisu (Sistema de Seleção Unificada) podem consultar  a nota de corte do curso escolhido a partir do segundo dia do período das inscrições.

[Ache os cursos e faculdades ideais para você.]

A nota de corte do Sisu é calculada uma vez por dia pelo sistema, com base no curso oferecido, o número de vagas disponíveis para o curso, a modalidade de concorrência que o candidato selecionou (vagas de ampla concorrência, vagas reservadas de acordo com a Lei de Cotas e vagas destinadas às demais ações afirmativas da instituição) e a nota do Enem dos candidatos. Ela corresponde à menor nota do Enem que pode ser usada para entrar no curso selecionado.

Essa nota é apenas uma referência, ou seja, não corresponde ao resultado final. No entanto, ajuda o candidato do Sisu a monitorar o andamento de sua inscrição e as chances de entrar em uma universidade ou instituto federal pelo Sisu.

Como consultar a nota de corte do Sisu?

O candidato do Sisu pode consultar a nota de corte a partir do segundo dia do período de inscricões no site do sistema: sisualuno.mec.gov.br. No site do Sisu, basta digitar o número de inscrição, a senha do Enem 2012, as letras e números que aparecem na imagem e clicar no botão “Entrar no Sisu”.

Caso tenha esquecido a senha do Enem 2012, o sistema oferece a opção de resgatar essa senha.

*Informações coletadas no site do MEC em janeiro de 2013.